Tradutor

This is default featured slide 1 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured slide 2 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured slide 3 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured slide 4 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured slide 5 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

ESCRITOR ALAGOANO DESMISTIFICA FATOS HISTÓRICOS OCORRIDOS NO BRASIL

Em Alagoas, notadamente no município do Penedo, o jornalista e escritor Nilo Sérgio Belo Pinheiro vem sendo alvo de polêmica face ao seu posicionamento contra a História Oficial de fatos ocorridos em todo
Brasil.

Na visão de Pinheiro, os fatos  desenhados pela elite política e econômica do país são verdadeiros engodos transmitidos ao longo dos anos, através das instituições educacionais. " São verdadeiras aberrações históricas que, nos últimos tempos, vem sendo colocadas à luz pelos novos historiadores, por meio de profundos estudos que  têm como aliados a arqueologia, a heráldica, a numismática  e pesquisa  de documentos existentes em países estrangeiros que marcaram presença no território nacional" - Enfatiza o  escritor penedense, que é especialista  na matéria que versa sobre a presença holandeza  na cidade do Penedo, tendo como foco principal o Conde João Maurício de Nassau .

 Convite de Exposição realizada por Nilo
 Além de jornalista e escritor, Nilo Sérgio atua como Procurador de Estado, e vem recebendo apoio amplo e irrestrito daqueles que acompanham atentamente seus trabalhos historiográficos , de modo transparente e comprovado por meio de farta prova documental e fotográfica.

                                   B I O G R A F I A




Nilo Sérgio Belo Pinheiro nasceu na cidade alagoana de Penedo. Filho do jornalista penedense João Batista Pinheiro, e de Maria Helena Belo Pinheiro, neto de Ademário da Veiga Belo e Francisca Marinho de Lira Belo, maternos; e de Othoniel Cravo Pinheiro e Maria Pureza de Souza Tavares Pinheiro. É também jornalista profissional, Procurador Autárquico Estadual, ex-defensor público Estadual. Foi o primeiro colunista do Jornal Gazeta de Alagoas. Foi também Procurador Jurídico da Fundação Alagoas do Trabalho. Exerceu suas atividades na Procuradoria Geral do Estado, onde atuou na Coordenação da Defensoria Pública, convocado pelo Procurador Geral Omar Coelho, através de portaria publicada no Diário Oficial do Estado. Hoje exerce as suas atividades, como Procurador no Instituto do Meio Ambiente do Estado de Alagoas. Trabalhou nos jornais de Alagoas e Jornal de Hoje, na Rádio Gazeta de Alagoas e Rádio Palmares. Foi funcionário do Tribunal de Contas do Estado de Alagoas, onde exerceu o cargo de Consultor Jurídico, designado pelo então presidente José Alfredo Pinheiro de Mendonça. É também um pesquisador sobre inúmeros fatos históricos, tendo apresentado na cidade de Penedo uma exposição sobre o período holandês naquela cidade. Hoje é apegado à contestação histórica de fatos dados como oficiais, e que não resistem à primeira análise. É um intenso pesquisador da Segunda Guerra Munidial, possuindo um arquivo fotográfico imenso. É Conselheiro da Fundação Casa do Penedo, e amigo pessoal do doutor Francisco Alberto Sales, pessoa que reconhece como o maior intelectual alagoano vivo. Atualmente, vive pesquisando fatos interessantes e pitorescos vividos por gerações penedenses do passado.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

RECORDAÇÕES DE UMA PRAÇA NOS ANOS 60



O ano era 1960, quando aportamos no bairro líder da zona Norte, o Poço.
Oriundos do município alagoano de São José da Laje, com toda família, ocupávamos um chalé defronte ao local onde, mais tarde, se ergueria a Estação Rodoviária de Maceió, em que  aos 17 anos de idade exerceríamos a função de locutor ,  tendo como colegas  de trabalho   Dênis Kleber  e Humberto Silva.
  poucos metros de nossa residência,  alí estava a imponente  Praça  Senhor do Bomfim ( também conhecida como  Praça Constânça de Góis Monteiro), muito frequentada por casais de namorados, estudantes  e boêmios da época. Era ladeada por moderno casario  e casas comerciais, com destaque para  o “Bar do Ponciúncula”,  “ Igreja do Senhor do Bomfim”, “Escola Primária Crispiniano Portal” ( na qual estudamos  as 2ª, 3ª e 4ª séries), “Padaria do Seo Dedé” , “Barbearia do Zé Bidú”, “Farmácia do Américo”, além do “Cine Plaza”.
O velho cinema, que em seus últimos dias , exibia filmes eróticos pra sobreviver

Aquela praça  também  serviu de  palco de festas, promovidas pela paróquia local, com apresentação de jogos, carrocel, pescaria, venda de guloseimas, pau-de-sebo e  do  Pastoril Senhor do Bomfim, coordenado pelo folclorista Pedro Teixeira, e com animações dos locutores Danúbio Peixoto  e  Gilberto, que defendiam com veemência  os cordões vermelho e azul, respectivamente.
Figuras populares que fizeram parte da história daquela localidade  ainda permanecem vivas no coração e na mente  daqueles  que viveram nas décadas de 60 e 70. São elas, “Paulo Boêmio” , “Maria-Pé de Boi “, “ Cabeleira”, “Macaca Prenha”, “Pinduca”, “Ivan Gregório”, “ Dr. Catarina”,  uns ainda vivos, outros já falecidos e outros em lugares incertos e  não sabidos.
Com o passar dos anos,  e com a decadência do antigo bairro , muitas famílias abandonaram suas casas,  dando lugar  a uma série de estabelecimentos comerciais.

O "monstrengo" que apagou o cenário original da referida praça.
Atualmente, nossa querida Praça está totalmente descaracterizada. O viaduto Ib Gatto Falcão, o primeiro de Maceió,  em nome do progresso, mutilou aquele belo cartão-postal de nossa capital.
 O que restou para manter viva  a nossa saudade  foi a Igreja.                                                                 
Tempos  belos que não voltam mais !...







segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

MAIS DE 800 LAJENSES PARTICIPAM DE ENCONTRO FESTIVO



Maravilhosamente coordenado,  este Encontro de Lajenses, que já atinge com muito sucesso de venda e público a sua décima-sexta edição,  reuniu mais de oitocentos  filhos da terra-mãe e convidados , oriundos de várias regiões do Brasil e Exterior,  para mais um  evento festivo- familiar de uma geração de ouro, geração esta que contribuiu de modo significativo para que o município alagoano de São José da Laje  atingisse um grau maior de desenvolvimento econômico, político e sócio-cultural e uma projeção artística  além fronteiras.
 Destaque especial  foi a homenagem prestada à idealizadora do evento, Maria Quitéria Martins,  que se afasta da Coordenação depois de 16 anos de serviços prestados .

  Logo abaixo, imagens do que foi o concorrido 16º ENCONTRO DE LAJENSES, acontecido neste último sábado ( 09-01-2016).